“10 coisas que você precisa saber antes de vestir uma camiseta do Che Guevara”


A verdade sobre Che Guevara é mais negra do que o sapato que você colocou hoje pra ir ao shopping ou ao super mercado. “Digamos que tudo o que você saiba sobre Adolf Hitler é que ele pintava paisagens, cartões-postais e casas em Viena, amava cachorros e batizou seu adorável pastor alemão de “Blondie” e frequentemente expressava solidariedade para com “o povo”. Você podia usar linda camiseta com a imagem dele, se o visse como um camarada tão carismático e também bonito usando sua boina. Mas todo mundo diria que sua educação não foi das melhores.”

“Se mais tarde você descobrisse que o cara na sua camiseta foi um genocida, você talvez perguntasse à sua professora por que ela deixou de lado alguns detalhes importantes.”

“Esse cenário hipotético se assemelha a um fenômeno real visto hoje em vários campi universitários. Cinquenta e dois anos depois de sua morte na Bolívia – em 9 de outubro de 1967 — o louco socialista Ernesto “Che” Guevara ainda figura nas manchetes e estraga roupas perfeitamente boas.

No cinema e na cultura pop, Che aparece como um motociclista aventureiro, um homem simples e humilde, um revolucionário igualitário romântico e um intrépido símbolo sexual. Sua assustadora história como um dos criminosos preferidos de Fidel Castro costuma ser maquiada porque, apesar de todos os assassinatos, ele supostamente tinha boas intenções (leia-se: odiava os ricos, adorava o poder, eliminava dissidentes e ajudava os pobres criando ainda mais pobres).

Em seu incrível livro Exposing the Real Che Guevara and the Useful Idiots Who Idolize Him [Expondo o verdadeiro Che Guevara e os idiotas úteis que o idolatram], de 2007, o aclamado jornalista Humberto Fontova compara a ficção com os fatos da seguinte forma:

Quem foi “Che” Guevara?

Mito: Homem de todos os povos. Humanitário. Corajoso combatente das liberdades. Amante da literatura e da vida. Defensor dos pobres e oprimidos.

Realidade: Assassino frio. Torturador sádico. Materialista sedento de poder. Terrorista que inspirou a destruição e o derramamento de sangue em toda a América Latina.”

“Eis algumas informações pouco conhecidas sobre o psicopata que estampa as camisetas, tiradas do livro de Fontova e de outras fontes:

Ele elogiou publicamente a invasão soviética da Hungria em 1956 e chamou os manifestantes que lutaram contra os tanques soviéticos em Budapeste de “fascistas”.
Depois da vitória da revolução comunista em Cuba, em 1959, Che tomou para si mesmo uma das mansões mais luxuosas de Havana — com um cais para iates, uma monstruosa piscina, sete banheiros, sauna, salão de massagem e cinco aparelhos de televisão.
Che exerceu um importante papel na Campanha de Alfabetização cubana em 1961 e, ao mesmo tempo, ajudou a orientar a política brutal de acabar com os dissidentes e a imprensa de oposição ao regime. Como diz Fontova na biografia, Che “promoveu a queima de livros e assinou sentenças de morte para autores que discordavam dele”. Os déspotas comunistas costumam ensinar os outros a ler e escrever, mas se esforçam ainda mais para se certificarem de que você só leia e escreva o que eles querem. A primeira queima de livros de Che destruiu mais de 3.000 livros numa rua de Havana.

Até mesmo o hagiógrafo de Che, Jorge Castañeda, admite que Che “exerceu um papel fundamental na criação da máquina de segurança de Cuba” nos primeiros dias do regime castrista. Nessa condição, Che supervisionou a tortura e execução de milhares de cubanos sem julgamento. Ele gostava principalmente dos pelotões de fuzilamento.

O poeta e diplomata cubano Armando Valladares, autor de Against All Hope: My 22 Years in Castro’s Gulag [Contra todas as esperanças: meus 22 anos num gulag de Castro], diz que Che “era um homem cheio de ódio” que executava pessoas “que nunca foram julgadas e nunca foram declaradas culpadas” e que dizia que “se você tem dúvida, deve executar”.

Che não oprimia todos os grupos igualmente. Ele odiava especialmente os gays, que prendeu em várias prisões. Ele era também reconhecidamente racista.
Fidel Castro nomeou Che Guevara como o primeiro “ministro da Economia” de Cuba e presidente do Banco Nacional.

Em poucos meses, o peso cubano já não valia praticamente nada. Castro o nomeou ministro da Indústria também. Nessa função, Che se provou igualmente incompetente. Uma vez ele importou uma frota de limpadores de neve da Tchecoslováquia porque achava que eles seriam ótimos para colher cana, mas infelizmente as máquinas simplesmente esmagaram e mataram as plantas.

Che era o czar da economia de Castro, apesar de não saber nada de economia além dos slogans marxistas. O ex-vice de Che, Ernesto Betancourt, disse que ele “ignora os princípios mais elementares da economia”. Ainda assim, ele escreveu a lei cubana de reforma agrária, limitando o tamanho de todas as fazendas e criando comunas estatais. A produção despencou e hoje ainda é menor do que era antes da revolução.

Os mísseis soviéticos em Cuba que quase provocaram uma guerra mundial em 1962 foram ideia de Che. Quando os soviéticos foram pressionados a retirá-lo pela administração Kennedy, Che declarou publicamente que, se os mísseis estivessem sob controle cubano, eles teriam sido disparados contra os Estados Unidos porque o socialismo valia mais do que “milhões de vítimas de uma guerra nuclear”.

Che deixou Cuba em 1965 para fomentar insurreições violentas primeiro na África e depois na América Latina. Ele foi capturado pelo exército boliviano em 8 de outubro de 1967 e executado no dia seguinte.
Em resumo: pense duas vezes (na verdade, só uma vez basta) antes de colocar uma camiseta do Che Guevara na sua lista de presentes de Natal este ano.”

A verdade sobre Che Guevara

fonte: Gazeta do POVO.